Conheça o Mercado Municipal: comida, arquitetura e história num só programa

Viver no Centro
11 de fevereiro

Que tal um programa que junta comida boa, arquitetura e história? Parada obrigatória para chefs profissionais ou amadores ou por aqueles que querem descobrir novos sabores, o Mercado Municipal de São Paulo – ou Mercadão ou Mercado da Cantareira como também é conhecido – leva o visitante a uma experiência que vai além das descobertas gastronômicas.

Tudo fresquinho: Mercado Municipal de São Paulo exibe cores e sabores variados em sua estrutura | Foto: Divulgação
Tudo fresquinho: Mercado Municipal de São Paulo exibe cores e sabores variados em sua estrutura | Foto: Divulgação

O primeiro impacto quando se entra no local vem da profusão de cores e aromas, de todas as regiões do Brasil e várias partes do mundo. É tanta informação que é impossível passear pelos corredores sem experimentar as delícias à disposição – e comprar algumas delas. Por isso, é bom ir equipado com sacolas fortes e confortáveis de carregar, já que a sobrecarga será inevitável.
Quando conseguir tirar os olhos das bancas, é hora de olhar para cima e admirar a estrutura gigantesca, de concreto com alvenaria de tijolos. Nas laterais, 55 vitrais executados pelo artista russo Conrado Sorgenicht Filho, famoso pelo trabalho realizado na Catedral da Sé e em outras 300 igrejas brasileiras, mostrando cena de cultivo e produção de alimentos.
Não à toa, é comum encontrar fotógrafos procurando os melhores ângulos entre as pilhas de frutas e a luz que entra pelos vitrais.

Temperos para todos os gostos | Foto: Divulgação
Temperos para todos os gostos | Foto: Divulgação

Compras

O que comprar? Bem, lá se encontra de tudo quando o assunto é comida. De frutas e legumes frescos – alguns bem diferentes, não facilmente encontrados nas feiras comuns – a todos os tipos de castanhas, frutas secas, azeites de todas as partes do mundo, peixes, embutidos, queijos, vinhos, temperos e tudo o que a imaginação – ou sua receita ou criatividade – pedir. Os preços não são os menores do mercado, mas valem pelo ambiente.

Gastronomia

Se já é difícil escolher o que levar entre as cerca de 300 bancas de alimentos, não é tarefa mais fácil decidir entre os inúmeros restaurantes e lanchonetes. No térreo, várias delas têm filas longas para quitutes como o famoso sanduíche de mortadela e o igualmente famoso pastel de bacalhau, com recheios tão fartos que valem por uma refeição.

Os restaurantes têm opções variadas para todos os bolsos | Foto: Divulgação
Os restaurantes têm opções variadas para todos os bolsos | Foto: Divulgação

Se quiser um pouco mais de tranquilidade, a dica é subir no espaço gastronômico, no mezanino, e se acomodar num dos restaurantes. São várias opções: comida nordestina, japonesa, árabe, bacalhau e outras. É para sentar, pedir um chope e apreciar a vista multicolorida lá embaixo ou caprichar nas fotos dos vitrais, lá no fundo.

História

A construção do Mercado Municipal começou na década de 1920, auge da riqueza cafeeira de São Paulo. Só que antes da inauguração, em 1933, o prédio foi utilizado como depósito de armas durante a Revolução Constitucionalista de 1932.
O edifício, em estilo eclético, foi projetado pelo engenheiro Felisberto Ranzini, que trabalhava no escritório do arquiteto Ramos de Azevedo, responsável por praticamente todas as obras grandiosas da época. Foi inspirado no Mercado Central de Berlim, com cobertura central e torreões laterais (numa época em que muitos mercados eram abertos), e estrutura em concreto e alvenaria de tijolos.

Apesar da importância histórica, quase foi demolido nos anos 1960, quando o comércio de alimentos foi transferido para a Ceasa. O prédio foi salvo pelos comerciantes, que o inscreveram no Condephaat (Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico do Estado) e conseguiram recursos para restaurá-lo.

Não perca a oportunidade de conhecer o Mercado Municipal Kinjo Yamato. O estabelecimento é menor, mas tem uma grande variedade de frutas e legumes, restaurantes e boxes com plantas e flores | Foto Divulgação
Não perca a oportunidade de conhecer o Mercado Municipal Kinjo Yamato. O estabelecimento é menor, mas tem uma grande variedade de frutas e legumes, restaurantes e boxes com plantas e flores | Foto Divulgação

Depois de explorar o Mercadão, uma dica: atravesse a Rua da Cantareira até o Mercado Municipal Kinjo Yamato, um mercado menor, mas com uma grande variedade de frutas e legumes, restaurantes e boxes com plantas e flores. Ali foi o local do primeiro mercado de São Paulo, chamado de Mercado Caipira, antes da construção do atual espaço.

Como chegar: Para evitar os congestionamentos que se formam na região, a melhor maneira de chegar ao Mercadão é de transporte público. As estações mais próximas são São Bento e Luz, da linha 1 Azul.

Rua da Cantareira, 306
Horário de funcionamento:
Segunda a sábado, das 6h às 18h
Domingos e feriados, das 6h às 16h
Contato: (11) 3313-3365

Por A Vida no Centro