Os encantos do Centro de São Paulo

Viver no Centro
19 de janeiro

Semanalmente iremos apresentar o E-book criado pela Jornalista Elenita Fogaça para TPA Empreendimentos dividido em capítulos sobre cada bairro do Centro de São Paulo. Região tão encantadora que já foi injustamente desprezada, mas que nas últimas décadas se reinventou, modernizou e com toda sua beleza, diversidade e encantos, irá seduzir você.

Capítulo de hoje: Bela Vista, uma região que te abraça

Os 2,6 quilômetros quadrados delimitados pelo bairro da Bela Vista conseguem abrigar o mundo. Da comunidade italiana que deu início ao bairro no século passado aos imigrantes sírios, árabes, chineses, coreanos, quenianos, além dos migrantes de todas as regiões do Brasil. Talvez por influência de seus fundadores, a Bela Vista é uma Mama, ou uma grande mãe que zela e oferece o melhor aos seus filhos. Vale aqui deixar bem claro, que o nome do bairro é Bela Vista e fica entre a Avenida Paulista e a Praça da Sé. Bixiga é o apelido dado ao seu pedaço mais boêmio, onde estão os restaurantes, os teatros e a quadra da escola de samba Vai-Vai.

Cultura

Se você se posicionar no início da Avenida Paulista, próximo da Rua 13 de Maio, e caminhar até a Rua Augusta, você estará em solo da Bela Vista, e em nenhum outro ponto da cidade é possível encontrar as maiores fontes culturais do país num único endereço. É neste passeio que é possível conhecer da histórica Casa das Rosas às modernas edificações do Sesc Paulista e da Japan House SP. Caminhando mais um pouquinho, está o Centro Cultural Itaú e o MASP, museu símbolo de São Paulo. No número 1313 da Paulista está o prédio da Fiesp, que abriga teatro e espaço para exposições. Um pouco mais a frente tem o complexo Conjunto Nacional, com livraria, teatro e área para manifestações de artistas plásticos. Desse ponto, descendo para o Baixo Augusta, nome recente dado para badalada rua, as atrações culturais são diversificadas, que vai dos teatros do shopping Frei Caneca, passando pelo Maria Della Costa, na Rua Paim; Sérgio Cardoso, na Rua Rui Barbosa; chegando ao imponente teatro Renault, na Brigadeiro Luís Antônio, que sempre tem em cartaz musicais internacionais, como Os Miseráveis, O Fantasma da Ópera, O Rei Leão, entre outros.


            Centro Cultural Itaú

                   


   MASP

                Teatro Renault

Educação

Do jardim de infância ao doutorado, a Bela Vista reúne dezenas de instituições educacionais, sejam privadas ou públicas. Das mais tradicionais, vale destacar a Escola Estadual Maria José, na Rua Treze de Maio; o Colégio J.R. Passalacqua, na Rua João Passalaqua; a Faculdade Cásper Líbero; e a tradicional Fundação Getúlio Vargas. Na última década faculdades privadas também passaram a ter unidades na região, entre elas Unicsul; Anhanguera; FAM. Na Bela Vista também tem escolas privadas que ensinam todos os idiomas, do inglês ao mandarim.


                     Colégio J.R. Passalacqua

                   Faculdade Cásper Líbero

                                 Fundação Getulio Vargas

Gastronomia

O título de capital gastronômica dado a São Paulo, certamente, é mérito da Bela Vista. No bairro é possível encontrar pratos de todas as nacionalidades e naturalidades. A Rua 13 de Maio, por exemplo, é um convite para cometer o pecado da gula. Caso queira se fartar de comida italiana, tem as tradicionais cantinas como a Roperto, Mexilhão, a Speranza, há anos a melhor pizzaria da cidade, eleita pelos mais conceituados guias de restaurantes, entre outras dezenas de casas especializadas. Os restaurantes com décadas de atuação dividem espaços agora com os modernos Jamile, do chefe Henrique Fogaça; e o Al Janiah, criado pelo descendente de palestino Hasan Zarif. Nenhuma mídia especializada em gastronomia ignora a riqueza gastronômica da Bela Vista. Vale conferir.

Speranza

Jamile

    

Festa Achiropita

Com quase 100 anos de tradição, a festa realizada pela Igreja Nossa Senhora da Achiropita, na Rua 13 de Maio, atrai turistas de vários lugares. São normalmente quatro fins de semana entre julho e agosto. Vale muito o tempo de espera nas imensas filas para degustar as mais tradicionais iguarias italianas. A edição de 2020 foi suspensa devido ao isolamento social.