República, dona de si

Viver no Centro
8 de fevereiro

A curiosidade do distrito da República é que, ao contrário dos outros distritos, somente o bairro de mesmo nome o pertence. Mas o que faz da República uma das mais queridas regiões do centro histórico de São Paulo são suas praças, além da própria, o charmoso Largo do Arouche; a animada Praça Dom José Gaspar; o palco da democracia, o Vale do Anhangabaú; a guardiã do Theatro Municipal, Ramos de Azevedo; e o Largo do Paiçandu, a resistência dos povos negros.


Foto Largo do Arouche

Foto Theatro Municipal

Cultura

 A céu aberto, a República exibe a história da arquitetura de São Paulo. São prédios ícones, como o da Biblioteca Mario de Andrade, desenhado por Jacques Pilon; o edifício Copan, de Oscar Niemayer; o edifício Itália, de Franz Heep; o Palácio dos Correios, projetado pelo escritório Ramos de Azevedo, e tantos outros.


Foto Edifício Itália

O Theatro Municipal é considerado um dos palcos de maior respeito do Brasil. Do clássico ao pop, só mesmo a República para ter uma Galeria do Rock e uma do Reggae.


Foto Galeria do Rock

 Foto Metrô República

Educação

A Praça da República teve o melhor colégio público de São Paulo, a Escola Estadual Caetano de Campos, hoje, o imponente complexo abriga a Secretaria Estadual da Educação. Atualmente a região possui duas escolas públicas para o ensino fundamental e algumas particulares. Destas opções de ensino privado, a grande maioria é voltada às artes e comunicação.

Gastronomia

É no Largo do Arouche que está o restaurante Carlino, que tem como fama ser o primeiro de São Paulo, fundado em 1881. Mas em todo o largo tradição é o que não falta como o francês La Casserole; e o especialista em massas O Gato que Ri.

A república ganhou novos ares e cheiros com a chegada na década passada dos badalados Dona Onça e A Casa do Porco, responsáveis por levar novos consumidores para a região que redescobriram o Centro. Papel fundamental também exercido pela Tokyo, misto de bar, boate, karaokê e centro cultural, também não podemos deixar de citar o inusitado Bar dos Arcos, no subsolo do Theatro Municipal e o Esther Rooftop.


Foto A Casa do Porco


Foto Esther Rooftop